Presença e dedicação marcaram o arranque de José Gomes

Depois de quatro anos sob a égide de Jesualdo Ferreira, entre FC Porto, Málaga e Panathinaikos, José Gomes, técnico português de 42 anos, voltou a emancipar-se – dirigiu P. Ferreira, Aves, Leixões e Moreirense entre 2003 e 2008 –, desta feita para assumir os destinos do Videoton, emblema húngaro onde militam Marco Caneira e Filipe Oliveira.

Com contrato válido para os próximos dois anos e meio, o timoneiro do “Vidi” terá a difícil missão de recolocar o emblema de Székesfehérvár na rota dos títulos. No campeonato, a longínquos 12 pontos do líder Gyori, o objetivo passa por alcançar o 2.º lugar da época passada. O ouro está, assim, na Taça e na Taça da Liga, duas competições que a equipa ainda disputa e nas quais deposita enormes esperanças.

Metódico, José Gomes chegou, viu e quis logo inteirar-se de toda a conjuntura que envolve a equipa que ontem, em Marbelha, Espanha, goleou os locais por 9-1, num jogo de caráter particular. Antes disso, e acompanhado pelo adjunto Joan Milán, orientou uma sessão de treinos onde se preocupou em corrigir vários jogadores a nível posicional, reunindo-se com outros para os conhecer mais a fundo.

Interventivo, deixou, contudo, o apronto a cargo do espanhol, que esteve sempre atento às indicações que o português ia deixando. Conhecido pelo método e o rigor, Gomes irá colocar em prática tudo o que aprendeu com a nova vaga de treinadores lusitanos. Nos dragões, tal como nos malaguenhos e helénicos, era o braço-direito do atual comandante do Sporting. A presença e dedicação valeram a promoção ao de José Gomes.

Fonte: Record

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *