“Entrar no campo com ideias claras”

José Gomes vai comandar tecnicamente o Almería na partida com o Ponferradina, no Estádio El Torálin, a partir das 13 horas do próximo domingo, na 30ª jornada da La Liga Smart Bank.

“Temos de ganhar e, por isso, devemos entrar no campo com ideias claras, com o nosso processo de jogo. Esta equipa tem sempre atitude e cria oportunidades”, referiu o experiente treinador.

Sadiq, melhor marcador do Almería, não jogará diante do Ponferradina, uma vez que integrou a convocatória da Nigéria. “Já sei quem vai jogar neste domingo”, anunciou José Gomes, para depois acrescentar: “É o preço a pagar pelos internacionais. Temos um grande plantel e sabíamos que isto podia acontecer, já que, na II Liga, não paramos. Confio em todos os futebolistas, que estão a fazer um grande trabalho, não só agora que falta um companheiro”.

José Gomes admitiu que não há sistemas tácticos infalíveis: “Temos mais de 150 treinos desde o passado verão e trabalhámos sistemas diferentes. Claro que existe a possibilidade de mudar, mas aqui não há sistemas infalíveis, nem melhor, nem pior. A chave é interpretar o que a partida requer e o trabalho durante a semana”.

“Tenho a mesma pressão jogando antes ou depois”

O líder técnico do Almería garantiu que não sente mais pressão quando joga depois dos rivais na luta pela subida, ou sejam Mallorca e Espanyol, primeiro e terceiro classificados, respectivamente. O Almería ocupa a segunda posição: “Tenho a mesma pressão jogando antes ou depois. O impacto não é igual em todos, mas coincidimos em querer jogar bem e ganhar. Aceito que haja homens que se sintam melhor ou pior, devido aos resultados dos adversários”.

As características do Ponferradina marcaram, também, o discurso de José Gomes: “É como se não fosse prejudicar ninguém, mas, num momento, rouba a bola e, de imediato, faz um golo. É a virtude principal: demonstrar que o rival tem tudo controlado e, assim, dar um ‘golpe’ para resolver as partidas. Em relação ao Yuri de Souza, é um futebolista importante para eles, mas há mais gente perigosa e que pode complicar a nossa missão.”

Foto: UDA Media